retificando

Concordância verbal e nominal: qual a diferença?

Esse conteúdo costuma ser visto como um “terror” por muitos alunos, por causa da quantidade de regras. Mas calma que nós preparamos um post contendo cada uma das regrinhas de concordância verbal e nominal para você não se atrapalhar mais!
Abordaremos o tema de forma bastante prática, com o auxílio de exemplos, para que você aprenda este assunto de uma vez por todas.

Acomode-se na cadeira e tenha uma boa leitura!

Concordância nominal e concordância verbal

Primeiramente, o termo concordância serve para designar a flexão entre dois termos na oração. Ela pode ser verbal, estabelecendo as relações entre sujeito e verbo, ou nominal, utilizada para designar as relações entre as classes de palavras (nomes).   
                                         
Veja que, no primeiro exemplo, o verbo ser está flexionado na 3ª pessoa do plural e concorda com o sujeito os alunos. Esta é a concordância verbal.
No segundo caso, o adjetivo estudiosos concorda com o substantivo ao qual se refere: alunos. É a chamada concordância nominal.
Existem, ainda, alguns casos específicos de concordância verbal e nominal. Veja agora quais são cada um deles.

Concordância verbal

Na concordância verbal, sujeito e verbo concordam em número (singular/plural) e pessoa (1ª/2ª/3ª). A seguir, você confere quais são os casos nos quais ocorrem esse tipo de concordância.

Expressões partitivas (metade de, a maioria, metade etc.)

Quando se referem a pronome ou substantivo no plural, o verbo pode ficar tanto no singular quanto no plural. As duas formas gramaticais são consideradas corretas.
  • Metade dos eleitores aprovam/aprova o candidato.
  • A maioria dos eleitores não aceitam/não aceita a situação do país. 
✋Atenção! Embora as duas formas sejam aceitas, muitos gramáticos sugerem a concordância no singular.

Quantidade aproximada

Quando a expressão se referir a numeral e substantivo, o verbo deve concordar com o substantivo.
Veja os exemplos para facilitar o entendimento:
  • Mais de mil pessoas participaram dos protestos. 
  • Cerca de trezentas pessoas compareceram ao local. 
✋Atenção! Para os contextos nos quais o termo mais de um estiver associado à reciprocidade, o plural é obrigatório! Ou seja, nestes casos, mais de um significa pelo menos dois, especificamente. Veja: 
  • Mais de um membro do conselho se ofenderam na discussão de hoje à tarde.

Termos que só existem no plural

A concordância deve ser feita de acordo com o artigo. Se houver artigo, o verbo fica no plural. Se não houver, o verbo fica no singular.
  • As Alagoas possuem lindas praias. 
  • Alagoas possui lindas praias. 
  • Estados Unidos é um país fantástico.
  • Os Estados Unidos são um país fantástico.

Porcentagem

Em casos de porcentagem seguida de substantivo, o verbo concorda com o substantivo.
  • 15% do eleitorado rejeita o candidato. 
  • 15 % dos eleitores rejeitam o candidato. 

Se a porcentagem não for seguida de substantivo, o verbo concorda com o número.
  • 1% aprova o candidato. 
  • 75% aprovam o candidato.

Que e quem

No caso do pronome relativo que, o verbo concorda com o termo que o antecede.
Exemplos:
  • Fui eu que fiz. 
  • Fomos nós que fizemos. 
  • Foram elas que fizeram. 
Quanto ao pronome quem, o verbo concorda com o termo que o antecede ou pode ficar na na 3ª pessoa do singular. Neste caso é facultativo.
Observe os exemplos:
  • Sou eu quem quero
  • Sou eu quem quer.

Verbos impessoais

Nos casos do verbo haver, no sentido de existir, fazer, indicando tempo, e dos verbos que indicam fenômenos da natureza, o verbo flexiona SEMPRE na 3ª pessoa do singular. Não há concordância com ninguém.
Observe os exemplos abaixo:
  • Havia moças bonitas na praça. 
  • Choveu bastante pela manhã. 
  • Faz dez anos que não a vejo. 
Para saber mais, veja:

Expressões correlativas (não só...mas também, tanto...quanto, não apenas...mas também)

Nestes casos, a concordância se dá no plural, pois expressa-se a ideia de adição.
Observe:
  • Não só a ignorância, mas também a alienação assolam o povo brasileiro. 
  • Tanto o rapaz quanto a moça gostaram da festa. 

Um dos que

Alguns gramáticos sugerem concordância facultativa em relação a expressão um dos que. No entanto, a preferência é pela concordância no plural
Veja:
  • Adriano era um dos alunos que mais deram trabalho ao professor. 

No singular, temos:
  • Adriano era um dos alunos que mais deu trabalho ao professor. 

Um ou outro/nem um nem outro

A concordância pode ser feita tanto no plural quanto no singular, embora esta última seja mais utilizada. Veja as duas possibilidades:
  • Um ou outro falaram bem de você. 
  • Um ou outro falou bem de você.

Concordância com se

A concordância pode ocorrer em dois contextos. Vejamos:

1. Se como índice de indeterminação do sujeito - quando se acompanha verbos intransitivos e transitivos indiretos, o verbo flexiona-se, obrigatoriamente, na 3ª pessoa do singular
Veja:
  • Precisa-se de funcionários.
  • Trata-se de problemas sociais graves.

2. Se como partícula apassivadora - quando se acompanha verbos transitivos diretos e transitivos diretos e indiretos, o verbo concorda com seu objeto, também chamado de sujeito paciente.
  • Vende-se uma casa. 
  • Vendem-se casas. 
Para diferenciar um caso de outro, observe que na primeira situação existe a preposição de.

Concordância com o verbo ser

Em relação ao verbo ser, a concordância ocorre entre o verbo e o predicativo do sujeito. 
Veja:
  • Aquilo eram lembranças de um tempo bom. 
  • Aquilo é lembrança de um tempo bom. 
  • Quem é você
  • Quem são vocês

Concordância nominal

Na concordância nominal, as classes de palavras ― geralmente, o artigo, o adjetivo e o substantivo ― concordam em gênero (masculino/feminino) e número (singular/plural). 
Veja em quais situações ela ocorre.

Vários substantivos

Nesse caso, a concordância pode ocorrer com o substantivo mais próximo ou com todos os substantivos. Veja:
  • Apartamentos de cômodos e localização perfeita
  • Apartamentos de cômodos e localização perfeitos

Com a palavra só

Quando a palavra só tem sentido de sozinho, concorda em número com o sujeito (singular ou plural).
  • A menina saiu
  • As meninas saíram sós

✋Atenção! Quando possui a ideia de somente, a palavra tem função de advérbio, portanto, invariável. Assim o termo "só" sempre ficará no singular.
Veja:
  • As meninas ouviram porque eu falei.
  • agora as pessoas perceberam que foram manipuladas.

Um e outro

Nesse caso, a concordância nominal se dá sempre no plural, ainda que o substantivo esteja no singular. Isto porque um e outro expressa a ideia de adição (são duas pessoas ou coisas). Observe o exemplo abaixo:
  • Uma e outra criança felizes. 

Vários adjetivos

Quando existem vários adjetivos, a concordância ocorre no singular, caso haja a presença do artigo entre um e outro adjetivo. 
Se não houver artigo, o substantivo flexiona no plural. 
Veja:
  • O aluno japonês e o brasileiro. 
  • Os alunos japonês e brasileiro.
  • A polícia civil e a militar.
  • As polícias civil e militar.

É proibido, é permitido, é necessário, é bom

Se houver a presença de um determinante (um artigo, um numeral ou um pronome), esses termos concordam em gênero e em número com o substantivo. 
Sem a presença do determinante, permanecem invariáveis.
  • É preciso consciência para mudar. [sem determinante] 
  • São precisas três mil cadeiras para o auditório. [com o determinante] 
  • É necessário compreensão de todos. [sem determinante] 
  • É necessária a compreensão de todos. [com o determinante] 
  • Água é bom para a saúde. [sem o determinante] 
  • A água é boa para a saúde. [com o determinante]
Para saber mais, acesse:


Mesmo, próprio, obrigado, incluso, quite, anexo

Esses termos concordam com o substantivo ou pronome aos quais se referem. Observe as frases abaixo:
  • Dívidas quitadas. 
  • Folhas anexas. 
  • Próprias pessoas. 
Exceção: documentos em anexo.


Bastante, pouco, muito, longe, barato, caro

Esses termos permanecem invariáveis quando exercem função de advérbio. Neste caso, sempre ficam no singular.
Quando funcionam como numerais, pronomes adjetivos ou adjetivos, concordam com o substantivo. 
Veja os exemplos abaixo:
  • Os jogadores estão bastante cansados. [advérbio]. 
  • Existem frutas bastantes na feira. [adjetivo] 
  • A viagem era muito cansativa. [advérbio] 
  • Havia muitas frutas na feira. [adjetivo]. 
  • Maria vive longe. [advérbio] 
  • Maria veio de terras longes. [adjetivo] 

Meio e meia

A mesma regra do contexto anterior vale para construções com a palavra meio.
Quando o termo exerce função de advérbio, permanece invariável. 
Quando ele exerce a função de adjetivo, concorda com o substantivo. 
Observe os exemplos:
  • Maria anda meio cansada. [advérbio] 
  • Pedimos meia porção de batatas fritas. [adjetivo]
Para saber mais, veja:

São realmente muitas regras, não é mesmo?! Por isso, sempre que se esquecer dessas regrinhas e conceitos, visite o bloque Retificando e tire todas as suas dúvidas.
Sempre estaremos aqui para auxiliá-lo a falar e escrever melhor. Obrigado por buscar aprender e evoluir. Pelo seu bem e pelo bem da Língua Portuguesa.
Não perca essas dicas:

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.