retificando

Me e mim: qual a diferença?

Me e mim são palavras que existem em nossa língua portuguesa e que estão corretas. Basta apenas atentar para como utilizar cada uma delas corretamente e em que contexto fazê-lo.
Pronomes pessoais do caso oblíquo, me e mim derivam do pronome pessoal do caso reto eu. Um pode exercer a função de objeto direto ou objeto indireto e o outro atua predominantemente como objeto indireto.
Confira agora quais são as principais características de cada um desses termos e aprenda a utilizá-los corretamente, para não escorregar mais na gramática!
Me e mim: qual a diferença?

Quando usar mim

Mim é um pronome oblíquo tônico, ou seja, vem acompanhado de preposição e, por essa razão, tem acentuação tônica forte.
Uma característica importante é que mim não conjuga verbo (portanto, construções como “falou-mim”, tão comuns na linguagem coloquial, estão erradas, hein?!).
Além disso, uma vez que acompanhado de preposição, mim sempre exercerá a função sintática de objeto indireto
Veja os exemplos a seguir:
  • Por favor, pegue essa caneta para mim. 
  • Mariana disse que gostava de mim. 
  • Francisco trouxe flores para mim. 
  • Mamãe fez um bolo para mim.

Para mim ou para eu?

Esta é outra dúvida cruel: qual é o certo? Para mim ou para eu? Só por curiosidade, vamos esclarecer brevemente algumas dúvidas a respeito.
As duas formas existem na língua portuguesa e estão corretas.
Como já vimos, eu é um pronome pessoal do caso reto. Assim, para eu só deve ser utilizado na frase, quando o substantivo que está substituindo exercer a função sintática de sujeito. Além disso, para eu deve ser acompanhado por um verbo que esteja no infinitivo, ou seja, indicando uma ação.
Confira os exemplos abaixo:
  • Veja se tem algo para eu fazer hoje. 
  • Para eu render no trabalho, tenho que dormir bem. 
  • Silêncio para eu falar ao telefone! 
  • Ana falou para eu chegar cedo. 
  • Para eu me concentrar, preciso de silêncio. 
para mim, deve ser utilizado apenas quando o substantivo que está substituindo estiver exercendo a função sintática de objeto indireto.
Veja os exemplos abaixo:
  • Pedro comprou flores para mim. 
  • Ana falou tudo para mim. 
  • Leandro trouxe sorvete para mim. 
  • Meu namorado trouxe um presente para mim. 
Resumindo: para eu exerce função de sujeito e para mim exerce função de objeto indireto.

Quando usar me

Me é um pronome oblíquo átono, ou seja, não é precedido de preposição e, por esse motivo, possui acentuação tônica fraca.
Numa frase, me vem sempre na companhia de um verbo e pode exercer função sintática de objeto direto ou indireto.
Observe os exemplos abaixo:
  • Clara me ama. [Objeto direto] 
  • Deixaram-me sozinha esperando. [Objeto direto] 
  • Pedro me deu flores. [Objeto indireto] 
  • Francisca declarou-me todo o seu amor. [Objeyo indireto]

Próclise, mesóclise e ênclise

Além disso, numa frase, é importante estar atento para a posição ocupada pelos pronomes átonos  (inclusive, o me) em relação ao verbo, ou seja, deve-se atentar para a colocação pronominal. Ela pode ocorrer por meio de: 

1. Próclise- quando o pronome oblíquo átono se posiciona antes do verbo. Um exemplo da ocorrência da próclise, ocorre sempre quando o pronome átono é precedido de um adjunto adverbial. Observe as frases abaixo: 
  • Não me falaram nada sobre a prova de matemática. 
  • Ontem me disseram que você estava doente. 
2. Mesóclise- quando o pronome oblíquo átono se posiciona no meio do verbo. Ocorre.em verbos que estejam no futuro do presente ou no futuro do pretérito. 
  • Contar-me-ás todos os segredos de Antônia. 
  • Falar-me-ias tudo o que aconteceu hoje cedo? 
A mesóclise é pouco utilizada, sendo considerada, por alguns estudiosos da língua portuguesa, um arcaísmo. Pode ser vista, por exemplo, em algumas traduções da Bíblia, na literaturaー sobretudo, na poesiaー ou em textos de extremo rigor formal. 

3. Ênclise- quando o pronome oblíquo átono se posiciona depois do verbo. Um exemplo de sua ocorrência, é sempre no início das frases. Confira alguns exemplos abaixo:
  • Dê-me os papeis que estão sobre a mesa. 
  • Conte-me todos os seus segredos.

Me ou mim? Recapitulando

Para saber qual é a diferença entre me e mim, basta atentar para o fato de que me está sempre acompanhado de verbos, enquanto mim está sempre acompanhado de preposições.
Além disso, mim não conjuga verbos e por ser acompanhado de preposição, exerce sempre a  função de objeto indireto.
Me conjuga verbos e pode exercer a função sintática de objeto direto ou objeto indireto.
Alguns exemplos de pronomes oblíquos tônicos são comigo, contigo, ela, ele, si, só, nós, conosco, convosco, eles, elas.
Te, o, a, se, lhe, vos, nos, os, as, lhes são exemplos de pronomes oblíquos átonos.

Você também pode se interessar por:

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.